Comportamento

                                              CRISE: TEMPO DE SER EXTRAORDINÁRIO

                                                           *Eduardo Shinyashiki

Quando tive a primeira experiência com o esporte radical rafting, algumas orientações do instrutor me chamaram atenção. Ele dizia, resumidamente, que quando o rio está tranquilo podemos remar tranquilamente, mas, se as corredeiras estiverem fortes, temos que comandar os remos com determinação e perseverança para não deixar o barco virar. E o mais importante: nunca largar o remo, em tempo algum.

Frente às previsões e índices econômicos, muitas pessoas entraram 2015 com um pé atrás, temendo a crise e o desemprego. Entretanto, os preceitos do rafting me permitem fazer uma analogia que pode nos ensinar a lidar com o cenário de crise, na qual normalmente muitos se sentem ameaçados no trabalho.

Antes de sentir medo da demissão, primeiramente, ambiente-se e reflita sobre as atitudes e comportamentos anteriores ao período de retração econômica. Pessoas com posicionamento acomodado, desprovidas de ousadia, atitude, que estão sempre justificando a ausência de resultados e que vivem subestimando a si mesmas, tendem a encabeçar a lista de cortes, pois o tempo todo escolheram remar errado ou até mesmo abandonar o remo. É necessário ter consciência de que em época de recessão as empresas precisam de pessoas que tragam soluções e não mais problemas.

Apesar de ser um momento de atenção, a crise não é a ocasião para falar de miséria, mas, sim de prosperidade. É a oportunidade para pararmos e pensarmos “Em qual aspecto a empresa está mais precisando de mim?” ou “O que posso fazer para construir mais resultados?”. Além disso, é importante saber que, se você é um talento e o seu grau de empregabilidade é alto, não há com o que se preocupar. As empresas que confiam no potencial de seus colaboradores jamais irão querer perdê-los.

Se antes você apresentava resultados padrão, agora é o momento de ir além do esperado, de ser extraordinário. Com atitudes nesse sentido, a crise pode ser um ensejo para uma promoção sonhada há tempos, por exemplo. Tudo vai depender da escolha: estagnar, focar no medo e recuar ou arregaçar as mangas e construir os resultados esperados.

O futuro nada mais é que o resultado daquilo que estabelecemos hoje, portanto, é tempo de parar de construir castelos de areia, na qual a onda da crise vem e leva e passar a edificar castelos sólidos que nem o tempo é capaz de derrubar.

Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, especialista em desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Presidente da Sociedade Cre Ser Treinamentos, Eduardo também é escritor e autor de importantes livros como Transforme seus Sonhos em Vida, da Editora Gente, sua publicação mais recente. http://www.edushin.com.br.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s